top of page

Estilos de apego: seguro, evitante e ansioso

Você já ouviu falar na Teoria do Apego?


A Teoria do Apego foi desenvolvida pelo psiquiatra, psicólogo e psicanalista John Bowlby, entre a década de cinquenta e sessenta, essa teoria visa explicar como ocorre – e quais as implicações para a vida adulta – dos fortes vínculos afetivos entre o bebê humano (criança) e seu provedor (cuidador) de segurança e conforto.


Levine (2013) relata que "o apego adulto indica "três estilos de apego" principais, ou maneiras como as pessoas percebem e reagem à intimidade em relacionamentos, que são paralelos aos que se encontram nas crianças: o seguro, o ansioso e o evitante.


"Seguros: sentem-se à vontade com a intimidades e são usualmente calorosos e amorosos;


Ansiosas: desejam intimidade, ficam, com frequência, preocupadas com seus relacionamentos e tendem a duvidar sobre a capacidade de seu parceiro de amá-las;


Evitantes: igualam a intimidade à perda de sua independência e constantemente tentam minimizar a proximidade".


Além disso, as pessoas , em cada um desses estilos de apego, diferem:


  • na visão que têm da intimidade e do estar junto;

  • na maneira como lidam com o conflito;

  • na atitude em relação ao sexo;

  • na capacidade de comunicar seus desejos e necessidades;

  • em suas expectativas em relação ao parceiro e ao relacionamento.

"Todas as pessoas em nossa sociedade, sejam aquelas que estão apenas começando a sair com alguém, sejam aquelas casadas há 40 anos, entram em uma dessas categorias ou , mais raramente, numa combinação das duas ultimas (o ansioso e o evitante)".


Por que é importante conhecer os estilos de apego?


Porque é uma maneira de compreender e prever o comportamento das pessoas em situações românticas, ou seja, essa teoria nos ajuda a entender o nosso estilo de vínculo afetivo e que estamos "predeterminados" a agir de determinada maneira nos relacionamentos amorosos.


O que eu faço para desenvolver um apego seguro já que sou uma pessoa adulta?


Primeiramente precisamos entender que trabalhar o apego é uma questão difícil, porque está tão arraigado em nós desde a infância. No entanto, todos nós podemos atualizar os nossos sentimentos ao longo da vida e assim é possível sobrepujar o estilo de apego inseguro e avançar em direção a uma maior segurança, confiança e bem-estar.


Desenvolver novas experiências de vínculos positivos também podem levar ao apego seguro, pois a pessoa se sentirá amada, compreendendo que pode contar com as outras pessoas e explorar o mundo a sua volta.


Possivelmente a mudança levará um tempo e muitas vezes os padrões antigos voltarão a emergir, mas, com consciência e perseverança pode aumentar o bem-estar e a qualidade dos relacionamentos.


Referência:

LEVINE, Amir. Apegados. Ribeirão Preto (SP): Novo Conceito Editora, 2013

24 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page